Pedras e Folhas.


Claudio e Isabelle caminhavam pelo parque naquela manhã de 13 de novembro.

Era uma manhã sem calor e sem frio, de modo que ela usava uma blusinha branca de alças, e ele vestia o mesmo casaco xadrez vermelho e verde de sempre.

Caminhavam lado a lado pela trilha de paralelepípedos, e estevam rodeados de árvores e dos cantos de muitos diferentes pássaros.

Caminhavam em silêncio. Era uma manhã calma e de poucas pessoas para incomodar. Ele tragava seu cigarro na medida de poucos passos e olhava para as copas das árvores enquanto ela olhava para as pedras em que pisava, com as mãos nos bolsos da larga calça jeans que vestia. Volta e meia ele a olhava. Via nela os cabelos lisos e castanhos escondendo o  rosto que mirava para baixo. Às vezes ela chutava alguma pedrinha no caminho, e ele achava aquilo extremamente charmoso, então olhava para cima novamente e dispensava a fumaça dos pulmões. Quando ele fazia isso, ela o olhava. Observava a imponência do tamanho de Claudio e seus olhos castanhos e intensos e confiantes que observavam as folhas verdes acima de suas cabeças. Ela achava charmoso a forma como ele andava, era como se ele soubesse exatamente o que queria da vida, então sorria e olhava para baixo novamente.

– Qual o motivo de não termos dado certo? – ela questionou sem olhar para ele, com sua atenção voltada para os paralelepípedos e as pequenas pedras no caminho prestes a serem chutadas para longe.

– Você não quis que déssemos certo e desistiu – ele respondeu calmamente vendo algumas folhas que eram arrastadas dos galhos pelo vento que soprava forte e as levava para longe.

– Não querer que dê certo e não querer algo que não estava dando certo são coisas diferentes – Ela falou sorrindo.

Ele dispersou mais uma lufada de fumaça e a encarou sem ter o olhar dela de volta.

– No fim das contas nem importa – ele falou – Se pararmos pra pensar, as coisas dão certo ao modo delas. Hoje conseguimos sorrir um para o outro sem ter que ficar remoendo o que aconteceu. A única coisa importante realmente é que as coisas, de uma forma ou de outra, não deram certo para dar certo, entende?

Ela estacou e ficou ali, parada olhando para baixo. Ele deu mais dois passos até perceber que ela havia interrompido seu caminhar, e então parou e virou-se para ela. Ambos se olharam.

– Como as coisas estariam hoje se tivéssemos insistido?

Ele fez um muxoxo e deu de ombros quando respondeu:

– Fodidas.

Ela riu daquilo. Achava atraente a forma escrachada que ele tinha de falar.

– Ou lindas – ela disse mirando seu olhar azul nos castanhos dele.

– E cor-de-rosa? – Ele indagou.

– Com pitadas de verde limão.

– E riscos cinzas para quebrar o escândalo das cores que você sempre escolhe.

– Tudo num fundo branco para que caibam mais cores que ainda estão por vir.

Sorriram.

– É – ele disse se virando e continuando com seus passos.

– É – ela falou dando uma corridinha e retomando o ritmo dos passos da caminhada junto a ele.

Ele olhou para cima novamente e viu uma folha cair lentamente sem ser levada pela força do vento. Estendeu a palma de sua mão deixando a bituca do cigarro cair e agarrou a folha.

Ela olhou para baixo e viu uma pedrinha perfeita para ser golpeada com um de seus pés, mas não o fez.

Ficaram em silêncio novamente e caminharam naquele dia quedo onde os pássaros cantavam suas canções.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s