32

Estava cá pensando com meus botões…

Porque abandonar o blog? Eim?

Então venho trazer a notícia de que ele vai voltar, aos poucos, com a mesma corda de uns dois anos atrás! E para comemorar este comunicado, nada melhor que um continho fresquinho.

 

 

Depois de acordar muito cedo, esfregou seus olhos e olhou pela vidraça por onde os raios de sol entravam agitados. Era um dia de inverno e ele não queria estar de pé naquele horário. Ele detestava a cidade de São Paulo.

O dia estava com o céu bem azulado e sem nenhuma nuvem para atrapalhar a visão. O frio era de cortar os ossos de tal forma que nem o ar-condicionado dava mais conta do recado. Apesar disso, o dia estava lindo, mas era uma segunda-feira; não havia motivos para comemorar.

Como de costume, sentou-se frente ao televisor e começou a ver o noticiário. As mesmas palavras de sempre: “Jovem é espancado até a morte”, “O clima deve piorar na quarta-feira”, “O Dólar teve a maior alta nos últimos dois anos”… Ele estava cansado demais; talvez não tivesse dormido o suficiente ou, quem sabe, bebeu vodca exageradamente na noite de domingo. Não importa. O fato é que ele estava cansado.

Saiu disparado na direção do chuveiro e viu as gotas caírem geladas e se estatelarem no piso do lado de dentro do Box. “Ah, foda-se o banho” pensou ele agressivamente. Só conseguia pensar em sua ex-namorada. Aonde ela estava? Com quem teria dormido naquela noite que foi tão fria?

O Sol insistia em entrar pela janela da sala, e era possível ver isso até de lá do banheiro!

Só que ele não se importou.

Vestiu sua camisa e amarrou a gravata. Colocou por cima aquele terno batido que havia herdado de seu tio que tinha o dobro do tamanho dele. Respirou fundo antes de agarrar as chaves do carro.

Sua situação era sofrível! A ressaca tilintava em sua cabeça como quem não quisesse passar. Lembrou que nesses momentos o melhor a se fazer é beber água. Ligou a torneira e encheu seu copo. Deu um gole. O gelo desceu pela goela paralisando a palavra que ainda não havia sido dita desde a hora de seu despertar.

Naquele dia não haveria bom-dia. Ele não falaria nada durante seu trabalho. Ficaria quieto e mudo. Estava tudo congelado dentro de seu corpo. Não haveria reações a não ser digitar e entender; entender e digitar, passar o papel impresso à frente. Sentar na cadeira e voltar a digitar. O trabalho mecânico de seu dia-a-dia.

A água gelada fez o favor de lembrá-lo que não havia escovado os dentes; não havia feito a barba e, nem se quer, havia penteado o cabelo.

Desamarrou a gravata, desabotoou a camisa. Foi até a sala e fechou as cortinas. Naquele dia não haveria mais Sol. Chega de segunda-feira; chega de trabalho. Agora que estava tudo escuro, voltou para a cama e se cobriu. Pensou em sua ex-namorada novamente. Com quem ela transou naquela noite? Com quem ela trocou juras de amor. “Amor não existe”, pensou ele. “ Se amor existe mesmo, deve ter um milagre para meu dia que faça com que meu chefe não me questione demais por não ter isso trabalhar no dia de hoje!”…

E foi assim que ele passou o dia nove de julho solitário, dormindo em sua cama só para receber a noite congelante do dia seguinte… Sem saber que teria que acreditar no tal “amor”.

Anúncios

Opinião.

Existem alguns tipos de pessoas que são demasiadamente irritantes!

Geralmente estas pessoas são aqueles que têm uma opinião sobre tudo.

Detesto gente que sempre possui algo que deve ser dito, uma verdade imutável de como se comportar diante de alguma situação!

A vida é feita de pontos de vista, e isso todo mundo sabe; mas quase ninguém respeita!

É o Ateu querendo ser melhor que o cristão; o cara que se mata de comer carne querendo aloprar um vegetariano. Em ambos os casos o contrário também acontece!

Todas as pessoas, por mais certeza que tenham, deviam estar abertas ao que acontece ao redor no decorrer de seus dias. Todas as pessoas têm razão em seus pontos de vista. Acho importante respeitar isso!

Não que precise concordar, mas ouvir é sempre legal.

Cada um tem seu jeito de ser. Se eu ligo pra dinheiro, e você não, ambos devem se respeitar. Se eu prefiro o BugerKing e você o Mc, devemos nos respeitar, por mais que o BK seja melhor!

Se eu gosto mais de Hércules do que de Jesus, também devemos nos respeitar.

Respeito é tudo.

Chumbo trocado!

Eu ainda penso que chumbo trocado dói sim, e bastante!

O mal do ser humano é que sempre tenta compensar, à todo custo, seus erros baseados nos erros dos outros.

Quando se vive em sociedade, devemos saber que estamos em guerra o tempo todo; guerra com amigos, namoradas, pais, professores e por aí vai! Penso hoje em dia que os que menos nos causam mal, são nossos inimigos; isso porque os mantemos longe da gente… No fim das contas, os que mais nos machucam são aqueles com os quais convivemos.

Pessoas são incertas demais, volúveis demais e falíveis demais. Errar nem é o problema, o problema é não admitir quando se erra! Eu acho que sou, realmente, o primeiro dos derrotados. Sempre falo de meus erros, sempre tento compensá-los com desculpas e gestos de carinho… Mesmo com aqueles que também erraram comigo um dia.

Sei lá. Acho que ando perdido mais uma vez e, o pior, sem nenhuma perspectiva de melhora.

Preciso ser ainda mais egoísta! Transformar a dor em raiva e aprender a viver sozinho! Aprender a não me importar com os problemas alheios.

Eu espero muito dos outros, e isso se torna um defeito inadmissível!

Humanos não amam; humanos conquistam! E é essa a verdade absoluta!

E depois dessa conquista, chega a hora de guardar a medalha em algum lugar empoeirado e partir pra algo maior… Humanos são assim!

Não quero mais esperar nada de ninguém.