Pêsames: UFSCão.

É de deixar lágrimas nos olhos.

"respeito às formas de vida... Chamar um humano de "animal" é elogio.

"respeito às formas de vida... Chamar um humano de "animal" é elogio.

    Navegando pela net, vi essa reportagem que me deixou mais comovido do que a “peça que o Rubinho pregou no Massa”. (Créditos da citação: Carolina).

   Venho me perguntando o valor dos animais para com a raça humana. Orgulho-me de meu sogro que contra a própria família, já soltou pássaros de um sítio. Animais são mais “humanos” que nós. Não possuem maldade. Não possuem egoísmo. Estão ao nosso lado e ponto final. Quem não gosta de animais não gosta de pessoas.

   Na reportagem (vide link ao final do post) fala do cachorro Catatau, o UFSCão, mascote da Universidade Federal de Santa Catarina, que foi morto por envenenamento e encontrado num córrego próximo a Universidade. Para os alunos da Universidade, fica meus pêsames e protestos.

   Tive uma gata chamada Princesa que dormia comigo toda noite, fiel escudeira que me arranhava na disputa por um espaço na cama, que foi envenenada e morreu na casa de um vizinho. Porque envenenar animais? Gente no mínimo covarde que não tem coragem de envenenar ladrão… Pessoas que merecem ser envenenadas… Aí vai e envenena o animal. Um cão que possui carinho e não faz nada de mal.

   Gente! Valor aos bichos. Minha cachorra é muito mais gente e carinhosa que algumas pessoas de minha própria família… Falta senso, sei lá. Encontro-me em palavras desconcertadas…

 ”Uma das últimas proezas protagonizadas por Catatau ocorreu durante a invasão do gabinete da reitoria por alunos. O cão ocupou a cadeira do reitor durante o ato e tinha apoio dos alunos para permanecer no cargo”.

    É de chorar. Sem mais palavras, deixo o link da reportagem e o apoio e pêsames para meus colegas universitários.

    LEIAM o link, protestem…

    Keilla! Minha amiga Keilla que tem paixão absurda por animais, futura veterinária; minha Carol que ama mais animais do que muitos seres humanos. Sei que vão ler isso… Façam algo no seus blogs sobre isso!

   Morte aos homens ruins. Vida aos bichos.

   Envenenem suas mães.

  Link: http://g1.globo.com/Noticias/Vestibular/0,,MUL1246171-5604,00.html

Pais e filhos.

Gritos de baixo da noite.

 

  Eu não sei o que é ser pai, não sei mesmo, e nem tenho credenciais para falar desse assunto, mas algo ecoa no momento, algo desagradável.

  É foda ver alguém chorar, ainda mais quando essa pessoa deveria segurar nossa cabeça quando choramos… Eu simplesmente não sei como fazer nessas horas, ainda mais quando a culpa é minha… Eu grito com pessoas erradas, aí quando vejo, não dá mais nem pra pedir desculpas, tenho que esperar uma semana pra dar um sorriso… Nunca fui bom com família, o que faz com que eu questione se serei bom quando tiver a minha própria família… Fico em cheque nessas ocasiões.

  Eu devia aprender a parar de brigar, parar de gritar… Sinto-me um monstrinho do pântano. De certo que ninguém faz isso de graça, mas aborrecer quem não tem nada a ver é triste… Sinto-me magoado comigo mesmo. Agüento tantas coisas, porque não agüento quando deveria segurar as pontas?

  Estou triste. Foi um mal dia.

  Eu realmente mereço ficar enclausurado nesse moquifo que é minha casinha aqui nos fundos do quintal, sinto-me em casa, pois é o lugar mais sujo desse terreno; é pra cá que as pessoas más veem; é aqui que eu devo ficar. Eu mereço isso por brigar com quem não tem culpa e brigar até mesmo com quem eu estava protegendo; e graças a mim, a semana vai ser do inferno, até meu pai voltar e eu poder pedir desculpas… Poder dizer que foi mal e que eu não passo da criança que eu sempre fui. Um mini-monstro.

 ****

 Ô povo que gosta de fazer aniversário em julho!!!

    No dia chuvoso de 26 de julho de 2009, quem faz aniversário é minha amiga instantânea Caroline!

  Ela é a “amiga miojo”. Converse por três minutos e já está pronto. Não tem como não curtir essa figura ímpar.

  Sonhadora, artista, viva e surpreendente. Esse é o resumo do que essa menina é. É a pessoa que me fez ver que existem pessoas como eu; fez eu ver que não sou o único que sonha e quer demais dessa vida infame… É uma artista de alma da qual muito me identifico da melhor maneira possível… Culta, fala inglês, toca teclado, está aprendendo flauta, trabalha pra chuchu e ainda consegue ser tudo isso o que eu disse acima; ainda consegue tempo pra isso!

    Caroline, se eu falasse tudo aqui ia demorar dias pra parar e certamente a “Wordpress” me cobraria por caracteres adicionais, então a fim de evitar um prejuízo e mais alguém que proteste meu nome, digo-te apenas uma coisa: You is FOOODAA!!!

 ***** 

   Terminando esse post, vou colocar a música que me passa pela cabeça agora, e dedico ao meu pai… E como ele está merecendo, não vou copiar e colar, vou escrever a música toda na unha.

 PAIS E FILHOS – Legião Urbana

Estátuas e cofres e paredes pintadas
Ninguém sabe o que aconteceu
Ela se jogou da janela do quinto andar
Nada fácil de entender
Dorme agora
É só o vento lá fora

 Quero colo
Vou fugir de casa
Posso ficar aqui com vocês?
Estou com medo
Tive um pesadelo
Só vou voltar depois das seis
 Meu filho vai ter
Nome de santo
Quero o nome mais bonito

 É PRECISO AMAR AS PESSOAS COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ
PORQUE SE VOCÊ PARAR PRA PENSAR, NA VERDADE NÃO HÁ

 Me diz porque que o céu é azul
Explica a grande fúria do mundo
São meus filhos que tomam conta de mim
Eu moro com a minha mãe, mas meu pai vem me visitar
Eu moro na rua, não tenho ninguém
Eu moro em qualquer lugar
Já morei em tanta casa que nem me lembro mais
Eu moro com meus pais…

 É PRECISO AMAR AS PESSOAS COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ
PORQUE SE VOCÊ PARAR PRA PENSAR, NA VERDADE NÃO HÁ…

 Sou a gota d´agua
Sou um grão de areia
Você me diz que seus pais não entendem
Mas você não entende seus pais

 Você culpa seus pais por tudo
Isso é um absurdo
São crianças como você
O que você vai ser quando você crescer?

Parabéns para a Graça!

(Porque aniversário no tempo dos outros é refresco!)

Como é de praxe, sempre parabenizo as pessoas que gosto em meu blog no dia dos respectivos aniversários, e hoje não será diferente!

   Faz um ano e meio que conheci a Gracinha! Uma menina cheia de “graça”. No começo, pra ser franco, achava ela meio “bicho-do-mato”, hoje eu vejo que eu estava COMPLETAMENTE enganado!! É uma pessoa super divertida e boa para conversar sobre tudo, tudo mesmo!

   Ela também foi a primeira pessoa com quem tomei um porre virtual, verdade!! Eu tinha cervejas e vinho, ela, se não me engano, tinha vinho… Ficamos bêbados na frente de nossos computadores a madrugada inteira, falando sobre bandas, amor e mais um monte de coisa… Tive que ir dormir bêbado quando clareou o dia!… Porre Virtual… Pode?

    O fato é que essa menina é companhia pra toda hora… Me deu uma força absurda quando eu mais precisei… Não saiu do meu lado, o que às vezes faz com que eu pense que devo muito a ela; mas essa eu não devo por obrigação! É uma divida que terei prazer de pagar quando necessário, pois essa menina merece muito mais do que o que faz pelos outros!

   Menina Leonina. Adoro leoninos e ela sabe disso, pessoas fantásticas essas!

   Grá! Nada que eu faça vai pagar o que já fez por mim. Obrigado por tudo em que me ajudou e principalmente por ter me dado a honra de conhecê-la e poder te chamar de amiga!!

    Beijos e mais beijos!!!!!!!!!!!!!

Como não tenho foto dela aqui no trampo, vai essa aqui que eu sei que ela vai gostar (eu acho).

Como não tenho foto dela aqui no trampo, vai essa aqui que eu sei que ela vai gostar (eu acho).

A AIDS, a Influenza e o Guarda-Roupa.

  Hoje recebi (e encaminhei) um e-mail que falava assim: “800 pessoas contraem a gripe suína e todo mundo já quer usar máscara. 20 milhões de pessoas têm AIDS e ninguém quer usar preservativo”.

 Concordo… A questão da AIDS é bem mais delicada que qualquer outra coisa, sei lá! De repente temos o câncer pra nos preocuparmos também… Mas andei raciocinando sobre algumas coisas.

   Vamos começar falando sobre o vírus da SIDA (HIV): Você entra num metrô, daí com aquela coisa louca, roça sem querer pra cá, roça pra lá; chega no Brás e de tão apertado, as roupas escapam de nossos corpos… Ereção total. Sem querer você acaba fazendo sexo (sem querer mesmo) e acaba contraindo o vírus… Triste fim… Ou alguém tosse sangue na sua cara, cai um perdigoto sanguíneo no seu olho e “ZAZ”… Vírus positivo. Vocês conseguem imaginar essa situação? Difícil. Isso porque contrair AIDS depende apenas de você (a não ser, claro, que te injetem o vírus, mas é algo muito inusitado pra colocar em pauta), nós temos uma vasta gama de informações sobre isso… Hoje em dia se pega HIV por vacilo (tirando o 1% dos casos que você não teve culpa, como por exemplo, nascer com o vírus).

  A gripe suína não… Você não tem escolha. Um espirro na sua cara e pronto! Vai pro hospital. É algo que não depende de você!! O que fazer? Colocar uma camisinha de Itu na cabeça? Não dá! Então, de fato, não há como comparar essas duas coisas, e o fato de não termos o controle sobre essa transmissão é que faz todos entrarem em pânico! É um inimigo do qual é difícil se defender, e você acaba dependendo mais do cuidado dos portadores do resfriado palmeirense do que de você mesmo… Mas o problema é que nem eles sabem de pronto que tem a gripe… Por isso o pânico. Então não adianta comparar, AIDS, câncer ou qualquer outra coisa com a Influenza H1N1.

   O guarda-roupa?? Esqueci o que ia falar dele…

 

Me siga no twitter: http://twitter.com/orrahc

O RETORNO DE JEDI!

  Ok. Esqueçam… Sou um otário, mas não consegui ficar longe dessa merda depois de tanta coisa escrever… O pior é que até de “marqueteiro” fui chamado…  Mas volto com a corda toda depois de quase duas semanas de recesso, o que nunca aconteceu no Dulce. Agora ninguém segura minhas palavras, afinal de contas, o que esperam de alguém que sonha em ser escritor?

  Se acharem ruim, não acessem mais, não me importo… Foi bonita a despedida do blog? Foi… Melhor ainda é um retorno dos mortos, pois cansei de ficarem no meu ouvido: “Volta, volta!”… Pois bem. Volto a escrever, mas engulam minhas palavras como são capazes de engolir a saliva sem falar nada, e o primeiro comentário que me especular, arranco esse direito que dou a vocês!

 O DULCE ESTÁ DE VOLTA… É A VOLTA DOS QUE NÃO FORAM!

DULCE FAR NIENTE. 27.07.2008 A 09.07.2009

  

E tocando a anos atrás... Existe alguém que ama essa foto.

Eu tocando a anos atrás... Existe alguém que ama essa foto.

Depois de um ano (esse blog faria aniversário dia 27 de julho) descobri por várias tentativas de inúmeros fotogs, blogs, etc. que essas coisas não dão certo… Eu não tenho nada pra escrever se não o que sinto. Já não sou capaz de me expressar verbalmente, vocalmente, achei que escrever seria a melhor saída, mas não é. Agente não pode se expor dessa forma como eu faço. Não é justo com os outros e nem mesmo comigo… O blog vai ficar aqui como lembrança eterna do que eu pensei e gritei por um ano inteiro… Mas não postarei mais. O que tenho que escrever vai para os papéis. O melhor amigo da gente é nós mesmos. Nós nunca usaremos o que escrevemos contra nós…

    Estatísticas:
     Em um ano o Dulce Far Niente teve exatos 9000 acessos. 9000 (9000 em ponto até este post, minha ambição era dez mil em um ano) pessoas que dissecaram o que eu pensei. 178 posts e 353 comentários; quase dois comentários por post que eu fiz. Se considerar que sempre falei de mim, até que é um numero razoável de pessoas… Nos dias mais movimentados do blog, ele alcançou quase 200 visitantes num dia só. Incrível, não é? Eu não sabia que eu era tão interessante assim, mas já me sinto um mico de zoo.

   Eu até viciei em postar, não sei mais como vou passar meu tempo, mas é melhor do que ficar nu… Pra me assegurar de que não postarei mais, pedirei pra alguém de confiança  mudar a senha e não me passar, assim não corro o risco de cair em tentação!

 Sentimentos:
Ok. É verdade. Em cada post meu, tirando contos que fiz e letras de músicas, tudo sempre teve algo escondido nas entrelinhas. Sempre.

 Escrita:
  Modéstia à parte, sei que não sou bom com a gramática. Quantas vezes fui corrigido pela Carol por escrever “agente” ao invés de “a gente”, e olha que ela faz RTV. Vicio é foda. Você aprende errado uma vez e segue pra vida toda, mas agora já aprendi. Mas meu motivo de orgulho de mim mesmo foram os elogios que recebi e me convenci: eu sei me expressar! E justamente este é um dos motivos pelo qual deixo o blog. Eu sei escrever. EU SEI ESCREVER!

 Dulce far niente:
  Pra quem não sabe, é italiano. É algo como “um doce fazer nada” ou ainda” De bobeira”, “Vadiando”, “Coçando o saco”, coisas assim… E este blog foi sempre um doce fazer nada mesmo. Foi meu amigo. Foi ele quem me ajudou a superar coisas a um ano atráse até hoje… É bom escrever, faz bem ter um blog; não é coisa de internauta não, blog é coisa boa, minha gente.

  Depois de um tempo comecei a sacar que o nome está errado, o certo seria DOlce far niente, e não DUlce.

  A pronuncia, caso vocês queiram falar certinho como um italiano é: DULTCHE far niente. Bonito, né? Mas precisa do sotaque, tipo: EU MORO NA VILA CARROOONNN.

  Deixa pra lá, vai.

 

Planos futuros “A casa lasciva”:
  Tenho uma amiga, a Tarjha; estávamos com um plano de fazer um super blog, depois ela agregou a Denise no projeto, mas paramos e ficou tudo sem nada. Era pra ser um blog bacana, cheio de coisas legais… Dá pra notar pelo nome “A casa LASCIVA”.

  Se vocês duas verem este post, saibam que quero retomar a coisa toda.

  Mas nesse projeto não vai ter Sérgio chorão, dramático e nem canceriano.

 Agradecimentos:
  Exietem algumas pessoas que  regradamente deixam comentários e vasculham o blog pra me dissecar:

Gláucia

Graça

Carolina

Keilla

Débora

Aline

Tarjha

Michelle (Keysha, a carioca gente boa).

E a mais recente, não teve nem muito tempo, Caroline.

 Pra vocês fica aqui o meu muito obrigado pelos comentários. Amo vocês. Umas mais do que as outras, mas amo todas!

 Considerações finais:
   Claro que corro o risco de me arrepender depois, mas me certificarei que não postarei mais nada, me matando, brincadeira. Mas as coisas ficaram chatas quando eu saquei que não estava mais postando, mas sim posando como quem tira uma foto… Ninguém precisa de mais nada para me conhecer se ler esse blog inteiro. As pessoas que lerem vão sacar de cara que eu sou fumante, beberrão, chorão, canceriano com ascendente em virgem, medroso, chato, mal humorado, simpático, bonito, sensual rsrsrs e brincalhão rs.

  Espero realmente que meu blog tenha sido tudo isso o que os comentários disseram, espero que o meu BBB particular tenha sido bacana enquanto durou, mas é hora do show acabar como tudo acaba… Está na hora de ser outra pessoa, mais reservada, e o Dulce não me permitia isso….

   Desfrutem de meus textos passados, façam tudo o que quisere com eles!

 Contato:
  faebeast@msn.com   aceito qualquer pessoa que queira falar comigo

  sergiocharro@globo.com Se quiserem só mandar um mail, mas esse eu vejo a cada século, então posso demorar a responder

   http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?rl=mp&uid=11672665724652152304 Orkut.

   Saquei que não preciso de um blog pra chorar… Tenho quase tudo o que quero. Agora preciso aprender a usar.

 

   Beijos para todos e Vivam a vida como se fosse o último dia… Vivam sempre um DULCE FAR NIENTE!

Rio de Janeiro.

*terminei este conto completamente bebado…. mas tinha de postá-lo.

 

 Onde eu a conheci? Eu a conheci em um bar. Sabe como é. Amiga de alguns amigos meus… Mas naquele dia conversamos pouco, bem pouco mesmo… Só depois que nos encontramos mais vezes é que vimos que tínhamos muita afinidade.

 Ela era encantadora. Tinha um sorriso lindo, um sorriso que faria a Angelina Jolie ficar morrendo de inveja. Um sorriso que cativava; dava vontade de roubar aquela boca e guardar bem longe do tempo e de qualquer outra coisa que cometesse o crime de modificar aqueles traços. Os olhos dela eram bastante expressivos. De um castanho forte… Qualquer um chamaria de “olhos comuns”, mas ela tinha algo diferente… Era o brilho dos olhos… Aquilo fazia com que eu meu reprimisse; meu estomago doía toda vez que eu cruzava meus olhos com os dela. Ela era linda. O cabelo sempre estava diferente, cada dia de um jeito.

  Sabe… Depois de tanto tempo, fico me perguntando como teria sido se eu aceitasse de imediato ir embora com ela.

  Ela era artista, eu queria ser. Ela estava montando uma trupe de artistas para viajar por aí, e tinha vindo para São Paulo justamente por causa deste sonho. Ela queria juntar muitas pessoas para espalhar a arte por aí.

  Em uma das vezes em que conversávamos, ela me disse que saiu de Curitiba. Morou lá durante nove anos de sua vida. Eu nunca soube por onde ela andou antes destes nove anos, mas também pouco importa para o que estou te contando. O fato é que fazia pouco tempo que ela chegara à capital Paulista para dar inicio aos seus sonhos.

   Depois que nos beijamos pela primeira vez, os olhos dela encararam os meus. Ela me pediu para que fossemos embora, mas eu não podia. Eu adorava São Paulo, apesar da dificuldade de viver em uma cidade que tão pouco dá em troca, eu ainda a amava, ou achava que amava. Não poderia, assim, sair de São Paulo de uma hora para outra…  Ela insistia: “Vamos para o Rio de Janeiro”. E eu respondia: “Eu queria muito, mas ainda não sei como deixar São Paulo!”

   Ela ficou um tempo insistindo.

   Sem nunca dizer nada, a cada dia que passava eu colocava algumas peças de roupa em minha mala. Eu estava determinado a ir embora com ela para o Rio, ser feliz, enfim!

   Nós seriamos o casal de artistas mais talentosos da cidade maravilhosa, e cada vez que eu pensava me aumentava a vontade de fugir com ela para longe da selva de pedra, pra bem longe.

   Eu devaneava quando ela falava do corcovado, quando ela colava a boca dela na minha, quando ela me chamava de “gato” com uma leve lentidão embriagada… Ah! Eu já não queria mais saber viver sem ela, mas ainda estava juntando coragem para deixar São Paulo para trás e ir embora. Paulistas geralmente costumam ser territorial demais. Demoram a se acostumam com outro local… Mas eu estava determinado.

    Houve uma noite em que ela me disse que estava indo comprar a passagem dela para o Rio de Janeiro. Ela estava com uma voz triste, robótica… Aquela era a hora em que eu tinha que me decidir… A maioria de minhas roupas já estava dentro da mala que esperava para viajar! Decidi. Compraria minha passagem no dia seguinte e iria com ela. Faria surpresa…

   No dia seguinte, logo cedo, ela me ligou. Eu havia acabado de comprar minha passagem. Ela me ligou fazendo com meu mundo desabasse diante de tudo aquilo que sonhei. O problema é que demorei pra decidir… Ela disse que estava, na verdade, voltando pára Curitiba, pois não esquecera a cidade depois dos nove anos em que viveu lá. Ela queria voltar para Curitiba.

  Eu ainda pensava “E nossa Rio de Janeiro?”, eu não encaixava mais os pensamentos nos meus sonhos. Por um momento de desespero, tive que agredi-la com palavras duras… Eu falava que não era justo que ela fosse embora para Curitiba quando me prometeu um lar! – Eu a chamava de falsa – Ela me chamava de covarde – Covarde por nunca, na verdade, ter certeza de que viveria em outro lugar… E assim ela partiu, debaixo da troca de ofensas. Ela se foi com lagrimas nos olhos, mas voltou para sua amada cidade. Ela teve a coragem que eu deveria ter.

  Hoje fico aqui… Com a passagem na mão… Rio de Janeiro. Devo ir? Tenho vontade de ir mas  e se não encontrá-la? E se ela, de fato, voltou pra Curitiba?

   Este meu relato termina em uma interrogação terrível, mas este não será o fim. Pois a amo. Preciso saber mais sobre o Rio.