Novembro: O mês de fazer muitas coisas.

   Ah! Hoje está todo mundo feliz, não é?

   Hoje eu estou eufórico! Pois tenho muitas opções de coisas divertidas, como ficar Jogando God of War em casa, ir para o Gedas ou cair na casa de algum amigo por aí depois da faculdade!  Sexta é um dia bom! Sempre tem algo para fazer, e se eu estiver em casa, é por opção; e ainda vos digo: Nestes últimos dias está bem mais legal mesmo passar a madrugada no MSN do que sair!

    Ontem à noite eu pensei em tantas coisas mais filosóficas para falar, mas agora não me vem nada, É que hoje acordei extremamente bem; hoje estou contente. Bem diferente do início da semana! Hoje eu poderia até saltitar! Sei lá! Hoje parei para analisar alguns fatores e minha vida está quase que exatamente do modo que eu desejava um tempo atrás, só resta eu me organizar financeiramente e passar de ano na faculdade (os passos mais difíceis).

***

   No pavilhão Lucas Nogueira, no Parque do Ibirapuera (na OCA), está acontecendo a exposição “O Pequeno Príncipe na Oca”. Vai durar de 22 de outubro a 20 de dezembro de 2009. Eu como fã da obra, nem preciso citar que irei! Para quem quiser mais informações é só entrar em WWW.opequenoprincipe.com.br

    Esse fim de ano está legal… Muitos programas para fazer, não é?

***

   Algo que também pretendo fazer é descer a Estrada Velha de Santos. São seis horas de caminhada em 16 quilômetros! Vou ver se faço isso ainda em novembro.

   Como nesse eu tenho certeza que vou sozinho (porque a preguiça de andar mata as pessoas), aceito companhia de quem estiver a fim de bater um pouco de perna num caminho super legal.

    Quem quiser ir, mas não quiser a minha companhia, ou porque quer aproveitar mais com aquele amiguinho colorido ; ), o namoradinho ou a paquera ainda escondida! É um passeio romântico, acho (Se bem que depois de três ou quatro horas vai deixar de ser), vou deixar aqui as informações necessárias pára você se virar sozinho:

– O telefone é 3333-7666
– E-mail é caminhosdomar@energiaesaneamento.org.br.  

Tem que fazer reserva! Não vão me chegar lá com a cara e a vontade que vão perder viagem.

O ingresso custa R$ 15 nos finais de semana e R$ 10 de terça a sexta-feira.

***

   Para finalizar este Post, quero deixar-lhes uma proposta!
   -O que vocês escreveriam se fossem eu?
    As respostas devem ter o formato do Post, e devem escrever sobre tudo o que sempre quiseram ler aqui e nunca viram!!!
    O melhor Post será publicado aqui no Dulce com o meu endosso e ainda ganharão um passeio com minha pessoa e, caso mulher, uma noite louca de amor!!!!!

    Brincadeira.
   Tô louco pra apanhar!!!
    Quem for escolhido ganha uma Camiseta do Dulce, por isso, me mandem também o quanto vestem!
    Mandem seus posts para faedream@gmail.com com cópia para sergiocharro@globo.com.

    Em dezembro veremos quem ganhou!

Beijos e ótimo fim de semana!! O meu vai ser!!!

O fogo do tempo.

   No começo de tudo é super gostoso, principalmente ao que se diz a respeito de “namoro”.

   A partir dos 14, ao menos na minha época, era de praxe namorar sentado na calçada da casa da menina… Ficar das sete até, no máááááximo, dez horas tendo ataques de romantismo e beijando sem parar um minuto, saindo com a boca toda marcada de vermelho ao redor e rindo dos vizinhos sobre o que dirão no dia seguinte.

    Essa fase é muito gostosa, e quem não teve um namoro assim, ainda não sabe o que é legal, e quem tem mais de 18 anos, dificilmente vai fazer! É que nessa idade, a necessidade de se encontrar sozinho e no escuro com o respectivo namorado, parece ser bem mais intensa, afinal, descobrir o quanto fazer sexo é bom, muda nossa vida. Mas namorar no portão de casa chega a ser algo quase que fantástico da mesma forma, só não é tão legal quanto, porque não é escondido.

    Na calçada existem poucas coisas a se fazer, como contar as estrelas numa noite de céu aberto, dizer até a que ponto (tentar dizer) você ama a pessoa ao seu lado ou simplesmente falar da vida. Essa fase é legal porque fica fácil pra você conhecer uma pessoa pela quantidade de tempo que conversam. Já dentro de uma casa você tem duas opções. Ou transa, ou vê TV. Não me venha dizer que você  conversa e discute relação em casa. É mentira. Pode até fazer, mas não porque quer!

   Namorar na calçada é um exercício de conhecimento, demarcação e reconhecimento de área.

   Mas acontece que o tempo passa, como tudo. Da calçada você vai para dentro, e daquela namoradinha (ou namoradinhO), só ficaram as lembranças. Vocês terminaram algum tempo depois que descobriram o que poderiam fazer juntos num quarto escuro. E então abandonaram a calçada, abandonaram as conversas e se abandonaram mais tarde. Agora a vida mudou… Você já sabe o que é sexo! E vai cair na farra sem medir conseqüências.

   Ok… Os homens quando jovens querem apenas sexo casual, enquanto as mulheres beijam uma pessoa por uma noite e já pensa em flores, filhos e casamento. Mulheres quando jovens (ao menos costumavam ser a 8 anos atrás) são muito bobas, muito sonhadoras… Mas acontece que o tempo passa, o cara vai ficando velho e já fez tanto sexo casual que enjoou, porque quando se faz uns 24 e 25 anos, ele começa a ver que muitas meninas querem isso. Só sexo! Apenas sexo por uma noite!!!!

   Não é um absurdo?

   Sai dessa! Claro que não!

   Mas eu ainda não sei sinceramente se foram os tempos que mudaram tão rapidamente em menos de dez anos ou a gente que muda… Não sei me explicar… Aos meus 18 anos, levar uma menina para a cama era um trabalho árduo e complicado (desculpa a colocação chula de minhas palavras, mas é a única maneira que tenho de me expressar), mas hoje em dia, por exemplo, já não é desse jeito. Existe o fator de que as mulheres hoje em dia já passaram a se bastar, mas falo isso de meninas com maturidade que eu tenho certeza que sabem mesmo o que querem. E sabem que podem ir para a cama com um cara por simplesmente querer ir, e podem fazer isso.

   E eu digo que isso não sou eu quem fala. Já conversei com muitas meninas sobre isso em mesas de bar e elas sempre me questionaram o problema de quererem fazer o tal “sexo casual”.

   Pô! Eu não sei responder qual é o problema. Na verdade nem existe. Mas é que uma mulher independente demais assusta a maioria dos homens, e quando elas alcançam a maturidade…

    Acho que existe tempo pra tudo, mas as crianças de hoje em dia já não sabe, mais brincar… Já vi meninas com menos de 18 falando de sexo casual há alguns meses atrás. Depois fiquei pensando comigo: “Caramba, eu era tão diferente; minha época era diferente; nós éramos tão… bobos… tão sonhadores”. Hoje virgindade é como cerveja num copo americano. Num momento está lá na mesa, quando você olha, já nem lembra mais de ter bebido o que estava antes no copo!

   Mulheres não são um poço de inocência.

   Contarei sucintamente uma única experiência minha. Certa vez quando ainda fazia parte da turma do Casual, que abandonei há pouco, acabei deitando com uma pessoa. E depois de tudo, em meio à madrugada, ela virou pra mim e disse que queria ir embora. Praticamente disse que já havia feito o que queria, estava satisfeita e não via um porque de dormir ali.

   Meu!!! Se eu falo isso pra uma menina, ela me soca!

   Senti-me usado! De verdade.

   O problema de sexo casual… O único problema do bendito sexo casual, é que um vai sempre gostar mais que o outro e pensar mais no dia seguinte. No caso acima eu fiquei pensando muito, mas não no ato, mas em ter sido usado. Depois achei até que divertido, aceitei o fato.

    Crianças. Todos podemos.

   Mas penso que sempre com alguém que conhecemos, porque sexo ainda é coisa séria, mas é bom! Vai fazer o que?

   Mas também penso que todos precisam passar por um namoro de calçada. Devia ser proibido quem nunca teve um namoro de calçada fazer sexo casual quando mais velho.

     Nunca fez e já está velho(a).

    Então faça o seguinte: Pegue a pessoa a quem você ama, chame ela pra sentar na calçada e fique por lá, namore um pouco… Nunca se é tarde!

 

    Não gosta de ninguém?

    Ok. Tem preservativos dentro do pote!

 

Tenham uma ótima quinta-feira.

Saudações tri-colores.

Halloween chegando.

   E quem disse que Halloween não é cultura e nem literatura?

232_gd

   Rola nesse fim de semana, de 31 a 1° de novembro o Halloween da Casa das Rosas na Avenida Paulista.

   Encenações, sarais e muitas outras coisas focados em Allan Poe. Vale a pena estar lá. No domingo é super provável que eu dê uma espiadela nas coisas por lá. Quem for de madrugada, aproveite por mim.

***

Rapidinhas:

 – Hoje peguei o metrô com o Bruninho, nada melhor para começar o dia sorrindo. O trem estava lotado, sendo assim, imagina como foi quando chegou no Brás!!! Só ouvimos uma menina gritar: “Ai, Binho… Ai… Ai… Humm. Ai… AAAAi Binhooo, Tá doendo!

   Claro que foi tudo por causa dos apertões (no sentido metroviário da coisa) que ela gritou isso ao ser quase esmagada por seu conhecido. Mas pareceu uma gravação de filme pornô, tipo: “Brasileirinhas: O metrô no horário de Pìca!”.

 

– Ainda no metrô, eu com meu bom humor, vi que uma mulher, nas minhas costas, estendia o braço até o ferro para se segurar, só que ela estava me machucando com os bracinhos em minhas costelas. Olhei para o Bruno e disse baixinho: “Odeio gente que tá vendo que tá apertado e ainda acha que pode atravessar o braço até a porra do ferro! Pra que segurar? Ela nunca vai cair aqui! Minha costela dói!

   Ainda nervoso e com o Bruno rindo de mim e me cutucando por algum motivo (geralmente ele dá suas opiniões, mas neste fato ele só me sorria como quem queria dizer algo. Nota para o fato de que ele estava virado para mim, logo, via de frente a mulher que estava posicionada atrás de mim), até que me irritei, virei para trás para lançar meu “olhar maligno do medo from hell” que muitos temem… Acabei tendo uma surpresa. Ela era lindinha. Não era mulher. Era uma menina. Linda. Olhando-me e sorrindo como se dissesse: “Tá foda hoje, né?”.  E o pior de tudo é que ela tinha um olharzinho castanho de “Gato de Botas”. Sorri, virei para frente e disse para o Bruno: “Deixa doer, vai…”.

Post Scriptum: Ainda bem que tem gente que raramente entra nesse blog, se não eu ia levar um “sopapo na oreia”!

***

  Queria deixar um enorme parabéns para meu amigo; grande amigo Cido, que faz aniversário hoje. Mas não pergunto mais sua idade, pois desde que o conheci, o que faz uns oito ou nove anos, ele sempre faz 34 anos.

   Muitas felicidades, meu velho amigo.

***

    Eu poderia escrever mais, mas não vou.

   Amanhã tenho dois temas para poder falar sobre, e vocês vão escolher.

   Posso falar de épocas em que nossos namoros eram no portão (lembram? Aquela coisa nostálgica de ficar das sete as dez sentado na calçada namorando?) ou posso falar de sexo casual (lembram? Aquela coisa gostosa de ficar das sete as dez na cama fazendo besteira e depois colocar a roupa e ir embora?).

     Vocês decidem sobre o que eu posto!

   Abraços!

O mundo não para.

   Madalaine está morta.

   Mas ele sabia que o mundo não pararia por conta de seu sofrimento. Arrastou seus pés pela cama e desgrudou a cara do travesseiro como velcro.

   Madalaine estava morta. Mas o mundo não para.

   Arrastou sua carência até o outro lado do quarto e pressionou o interruptor. A luz acendeu cortando sua vista e revelando o que ele havia se tornado ao longo daquele tempo. Mexeu os dedos dos pés. Suas unhas estavam enormes. Seus pés pareciam portar várias lâminas que o incomodavam quando ele deitava; raspavam pelo lençol e davam agonia em seus dedos. Os tênis já lhe doíam, as meias já rasgavam. Era assim desde que Madalaine se foi. Parte dele se foi junto. O cuidado e a vaidade lhe escaparam. Não fazia outra coisa se não fumar, beber e deixar a barriga crescer. Ele estava gordo e pegajoso. Não era assim quando ela estava viva. E ele nem se importava com nada disso.Não ligava mais para a saliva que acumulava na boca.

   Escovou os dentes, apesar da preguiça, e foi comprar pão… Era cedo ainda.

   Seus passos lentos e pesados revelavam alguém que já não tinha mais vontades. Ele já não cumprimentava mais o porteiro do prédio… Na verdade já não falava com mais ninguém, só com sua mãe que sempre dizia que ele precisava se recuperar, e ele respondia que Madalaine estava morta e que, apesar do mundo não parar por sua dor, ele estava estagnado e amordaçado.

   Caminhou até a padaria.

   Dois pães franceses.

   Um litro de leite.

   Não. Não esse de caixinha. Aquele de saquinho, ali!

   Leite “C” que é mais barato.

   Isso.

   Comprou mais dois maços de cigarro. Dois maços de Califórnia mentolados. Antes de sair pediu uma dose de Vodka, pura, sem acrescentar nada.

   Não ficou no balcão porque queria fumar, então com o copo, foi para fora e sentou na guia. A bebida já não lhe queimava mais a garganta.

   Bebiricava quando olhou para cima e viu alguém.

   Madalaine. Era ela. Igual. Olhos azuis. Pele branca. Cabelos ruivos. Olhar lânguido.

   Ele a encarou pasmo. Não era possível, ela ali, parada a sua frente. Mas ela estava morta, e ninguém mais do que ele tinha absoluta certeza disso. Madalaine estava morta, e o mundo não havia parado pela sua dor.

   Levantou-se da guia e tragou o cigarro enquanto a menina estava a sua frente.

   Oi.

   Oi.

   Como está?

   Assustado.

   Com o que?

   Você… Você está morta…

   (Ela riu cheia de cinismo). Acho que você não precisa continuar agindo assim. Já passou tanto tempo.

   Tempo? (Ele estava confuso).

   Acho que você não consegue aceitar as coisas (ela disse), você é como uma criança. Sempre será uma criança. E eu que vim falar com você achando que este ódio infantil havia passado. Engano o meu.

    Quem é você? (mais confuso).

    Hahahahahahaha. Você não muda. Fica nesse seu mundinho isolado da realidade. Já não me importo mais.

   Ela virou-se e foi embora. Não era ela, ele pensava. Não poderia mesmo ser, pois ele era o único que tinha absoluta certeza de que Madalaine estava morta, e mais ninguém tinha.

    Voltou pra casa. Devorou os pães. Pensou em ligar para alguém, pois depois que Madalaine se foi, passou a se entregar para a primeira proposta de sexta-feira, mas achou melhor não. Assistiu TV por todo o resto do dia. Pensou na mulher parecida com Madalaine. Resolveu ir dormir.

   Arrumou as cobertas em cima da cama e desligou o abajur.

   Acendeu o isqueiro fazendo uma fraca e pequena luz amarelada, fúnebre e triste. Abriu com dificuldade as portas daquele armário que apenas ele conseguia abrir e que Madalaine também um dia conseguiu. Ele se encolheu e adentrou. Jogou algumas roupas para o lado e lá estava.

   Sentou se.

   Afastou os cabelos dela do rosto.

   Lá estava o decomposto e ressequido corpo de Madalaine. Morto. Sem nada. Sem um pingo de vida nos olhos que um dia refletiam seu amor.

    No escuro do sono, o mundo parou pelo seu sofrimento.

    Madalaine estava viva.

    Ele sorriu.

    Ele dormiu.

***

   Nossa. Que madrugada de pesadelos tive hoje.

   Ultimamente tenho dormido e acordado no meio da madrugada completamente desconfortável! Como se a cama não fosse minha. Acho que tenho dormido pouco demais. Descansado pouco de mais.

    Apesar de mais animado, ainda não estou cem por cento. Mas estou mais animado.

    Vou ver se depois coloco umas fotos do dia em que fui ao aquário!

    Apesar de ser um aquário, os bichos que mais gostei de ver foram os Morcegos gigantes, que eu teria tirado fotos se a Elisangela não houvesse acabado com as pilhas da máquina! Mas tem tubarões, arraias e mais uma pensa de peixes estranhos para se ver por lá! Passeio recomendado!

     Tô procurando gente pra fechar um livro de contos, como este acima, que tive idéia hoje no metrô, cheguei ao trampo e escrevi. Não liguem pára os erros!

    Se escreverem ou souberem de alguém que gostaria de montar um livro de contos, falem comigo.

     Beijos, abraços e amplexos!!!

Vamos encarar mais uma semana.

Ah. Fim de semana bem estranho… O domingo foi um caos repentino e explosivo! Mas ficou tudo bem. Até ontem de tarde tinha tudo ido muito bem. Inacreditavelmente bem. Uma briga no domingo se fazia necessário para lembrar que, pra mim, nada pode ser tão perfeito!

Ok, vida! Sem problemas!

Também gosto de você…

Comprovei que o que a Luciana falou em relação ao Twitter do Willian Bonner – realwbonner – é verdade! Estranho ver o ancora do Jornal Nacional postando coisas tão normais e algumas até engraçadas. Será que está todo mundo viciado nesse tal Twittter? Até a Luciana que nunca foi de usar informática, tem Twitter e adora. A Luciana é uma das criaturas mais engraçadas que eu conheço. Até a pouco tempo atrás ela escrevia os textos que ela criava tudo na mão… Na unha mesmo, sabe? Rejeitava o computador. Acho que se não houvesse computador, eu não me meteria a escritor não… Tenho muita preguiça de escrever coisas na mão.

Hoje também não está sendo um dia bom.
Não me sinto bem, deve ter sido o estresse de ontem. Não estou bem desde a madrugada… Acho que a pressão que deve estar baixa; ainda tenho prova hoje, mas o pior é que não é apenas 1 prova, mas sim 2… E minha cabeça parece uma bexiga cheia de gás Helio… E ainda vai chover mais tarde, e eu sem guarda chuva…

Ok, vida! Sem problemas!

Também gosto de você…

Estou caindo na real, mas pode ser apenas por hoje, não se empolguem, mas acho que não quero mais ser o Bukowisk. Nem  na safadeza e nem nas bebedeiras. Não, calma. Não to virando evangélico. Mas é que hoje estou enjoado… Reflexos de um domingo chato… Tinha tudo pra se bacana, mas foi chato.

De noite melhorou um pouco na hora do RPG! E acho que eu estava com uma cara tão pesarosa que até me emprestaram um carro para fornecer carona ao metrô antes de começar o jogo. Dessa vez confiou mesmo em mim! E o carro foi e voltou inteirinho, não é? E cada um chegou vivo ao seu destino.

Preciso tomar tento para tudo, e essa é a hora. Ou vai ou racha! Posso começar largando os vícios; todos eles! Cada um deles! Nada de vícios dessa vez!

Hoje como tenho prova nas duas aulas, vou sair mais cedo. Quando se sai mais cedo na faculdade, o pessoal geralmente vai pro bar… Apesar da chuva, está um calor absurdo!!!

Ai, ai…

Ok, vida! Sem problemas!

Também gosto de você…

S.o.n.o.

Ontem eu fiquei super feliz pelo simples fato de ter conseguido adquirir uma latinha de rapé! Fazia tanto tempo que não cheirava rapé! E o meu é de cravo com canela, diferente do que eu possuía antes, que era puro; mas este é bem mais forte; o que possibilita que eu deixe os cigarros em casa e leva a latinha comigo nas bebedeiras para suprir a nicotina.   

   Amanhã, sábado, tenho que acordar relativamente cedo, ou nem dormir, já que essa madrugada é de ensaio, pois amanhã vou fazer um passeio relax no Aquário de São Paulo. Ver os peixes enormes e tirar fotos para postar aqui depois… Tem até uns esqueletos de Dino por lá! Deve ser bastante legal! Mas eu queria fazer igual aos mergulhadores e entrar para nadar com os tubarões! Mas sei que não será possível! Só espero mesmo que não chova, pois ainda vou precisar voltar correndo para jogar bola, e depois… Depois sentar na poltrona de minha casa e escrever um pouco, montar meu outro computador, formatar o Notebook… É… Acho que a noite de sábado será de ócio! Mas ao menos poderei colocar muitas coisas em ordem, inclusive a cabeça oca!

    No fim das contas, essa semana que passou foi cheia de nada, com exceção da minha segunda-feira e de ontem, que encontrei meu tão procurado rapé, para relaxar a alma, limpar as vias aéreas e fazer espirrar!!!!

    Qualquer coisa me ligue nesse fim de semana; caso você não tenha meu telefone, é muito provável que eu não goste de você.

 PS.Nunca, nunca, em hipótese alguma, cheire rapé no trabalho, acredite. O soninho bate de uma tal forma que é inexplicável! Ainda mais quando você fica conversando com seus colegas de sala até bem tarde, né Elda?

 É provável que hoje eu poste algo novamente depois da faculdade.

 Beijos e amplexos!

… Porque todos têm o direito de não gostar de seu filho…

      

elefante
Penso que todos, independente do sexo, têm o direito de simplesmente não gostar do filho, simples assim. Não que isso seja uma coisa normal, claro que não, mas acho que as pessoas devem amar por livre e espontânea vontade. O amor não deve ser uma obrigação.

     Dizer que as mulheres amam muito mais o filho do que o homem, é como jogar uma carga enorme nas costas delas de uma forma tão sutil, que elas simplesmente não percebem, se orgulham disso e entendem como um elogio, mas não é, porque todos têm o direito de não gostar do próprio filho.

    Ontem, numa discussão de sala de aula, isso foi abordado. O argumento era esse mesmo, de que os homens sempre que tinham um problema familiar, abandonavam as esposas e os filhos, mas as mulheres nunca faziam isso, pois elas nasceram para serem mães, com instinto maternal.

 Ok. Vamos lá!

1° -É Óbvio! Tratando-se de uma fêmea, nunca esperaria dela que fosse pai! Fica meio difícil com úteros e a ausência de túbulos seminais e epidídimo. Por tanto, ela nasce para ser mãe tanto quanto um macho para ser pai.

2° Afirmar que é mais fácil para um homem deixar a família e para a mulher não, e agir como se isso fosse absolutamente normal, é MACHISMO SIM. É uma tentativa de ausentar a responsabilidade do homem SIM.  Não é normal uma vez que não haja motivos para tal como traições e etc. Se o amor é obrigatório para a mulher, deveria ser para o homem também.

    Quando comentado que as mulheres nunca abandonam o filho, argumentei dizendo que conheço casos em que isso ocorreu, e conheço mesmo, e então o “dirigente” do debate, com todo seu preciosismo na segunda noite de “auto-propaganda”, disse que uma mulher assim só poderia ter distúrbio mental.

    Meu mal é às vezes me calar quando deveria falar… Ela não tem distúrbio mental. Conheço a mulher, que é uma mãe bacana, excêntrica, sim, mas ainda assim uma pessoa bem legal e estudada. Distúrbio mental para mim é se auto-valorizar e ainda tentar arranjar a admiração das menininhas com essa falsa exaltação ao sexo feminino, afirmando que o amor pertence a elas, quando na verdade, pertence a quem simplesmente o sente.

   Uma mãe não tem a obrigação de gostar do filho mais do que um pai. Absolutamente, isso não é regra. Ela pode dar no pé a hora que bem entender.

   O homem pode ser mais fraco que a mulher sim, mas não venha me dizer que a exceção confirma a regra; amor maternal não é regra. É dádiva que alguns têm, e na verdade, poucos são presenteados com isso.

    Acho que ontem perderam pontos no meu conceito pela aplicação sutil de palavras machistas e sedutoras de menininhas, mas acho que você não sabia que naquela sala tinha alguém com capacidade de ser tão filho da puta quanto você.

********************

    Subjetiva e objetiva direta, indireta e o que mais vier.

   De verdade, pra quem acha que gramática é fácil, eu digo: acho que pasto mais com ela do que penava com matemática. Ela é a física do português. Irrita apesar de ser fascinante quando você entende. É ela aquela parte do português que faz você olhar as pessoas de cima para baixo.

   Eu não sou bom com ela.

   Queria agradecer a Dé que em dois minutos me fez entender o que não entendi em dois meses!!!!! Valeu Dé!

**********************

   Acho que eu já escrevi tudo o que tinha pra escrever hoje. Agora é pensar na sexta, no sábado movimentado e no domingo de boa companhia e RPG.

 

    Abraços e bom resto de quinta!

Errata:
A peça ” A Casa dos Budas Ditosos”
acontecerá nos dias 20 e 21 de
novembro, e os valores variam de
60 a 120 reais. Estudante paga
meia.