2010.

Balanço 2010 – Teus erros fazem os meus!

Vamos lá, pessoal! 2010 foi um ano fabuloso sim! Apesar das pedras nestes últimos dias, meses de novembro e dezembro, o ano todo foi maravilhoso pra mim. Coisas novas aparecendo, aprendizados e eu me aperfeiçoei bastante na arte de fingir! É verdade. E conheci pessoas ótimas ao longo de 12 meses.

Vi  meus amigos mais juntos do que nunca!

Virei padrinho.

Consegui ficar quase um ano solteiro depois de 9 anos. E ainda estou, o que é bom sinal.

Decidi meu rumo na vida.

Conheci bandas novas.

Tudo ótimo.

Pensei em escrever algo pra cada um de meus amigos, mas de boa, fora de cogitação.

Nesse ano balanceei as coisas entre fazer merda e a coisa correta. Nada de desequilíbrio. Passei nervoso, fiquei feliz. No momento estou apático. E esse é o melhor estado pra se ficar.

O ponto mor é que nunca fiquei, desde 2001, tão perto de meus amigos verdadeiros.

2010 foi um ano bom, e faziam 9 anos que eu não dizia isso. Coincidências à parte, claro!

Recuperei minha auto-estima e vi meus cabelos começarem a ficar brancos. Decidi que vou me entregar para a velhice, e serei um velho artista e matreiro.

Aqueles que me machucavam, já não me ferem mais tanto. As histórias antigas obtiveram seus desfechos. Todos felizes para mim, claro! (Só espero que Deus não faça disso uma trilogia!).

Deus está no Céu e o mundo está em paz. Sempre uso essa frase em bons momentos.

A hora de mudar tudo é agora, não porque é fim de ano, longe disso. Isso não altera nada, mas sim porque tudo teve seu marco zero mais uma vez, inclusive eu!

Amanhã será a primeira vez na história que meus amigos e eu comemoraremos o ano novo desde antes da meia noite. Vão faltar algumas pessoas importantes como o Dan e os Lus, mas ainda assim é um marco na história da patota! E neste ano a patota cresceu um pouco mais! Crianças demais estão nascendo, e é para o bem!

Gente. Um feliz ano novo para vocês, e que nem tudo aquilo o que vocês querem se realize, pois se isso acontecer, vocês não terão mais nada pelo o que viver, então vão com calma. Uma coisa de cada vez. Sem balburdia. E não destratem as pessoas que vocês gostam e, principalmente, as que gostam de vocês, pois são essas pessoas que vão estar com vocês sempre, de resto, é só resto. Mas também não se matem por elas, as pessoas que se importam mesmo com você, vão ligar, vão fazer drama antes de que você se humilhe. Nunca se humilhe.

Cultivem o amor. Mais amor! Amor é obrigação! E assim a gente segue em frente.

Bom fim de ano.

E toquem o terror!

Anúncios

Feliz Natal.

E então é Natal?

Bom. Primeiramente um feliz natal pra vocês nesse post do dia 25. Que haja sempre uma cerveja na mão de vocês.

Acho que fazia um tempinho que eu não tinha um Natal animadinho como esse, agora estou aqui sentado desfrutando de uma cervejinha e tabageando enquanto escrevo baldes de groselhas aqui.

Não nego que escrever nesse blog tem sido um martírio pra mim ultimamente. Prometo sempre que vou voltar com a freqüência de antes, mas o fato é que está difícil. Tô sacando que esse blog servia mais pras reclamações da minha vida, e vejo agora que estou me fechando cada vez mais, pois nem aqui eu quero reclamar. Já nem reclamo de nada, se não ganho um câncer.

Queria deixar o obrigado para os “felizes natal” que ganhei e pelas ligações na meia noite que são sempre complicadas; destaque pra alguém que me ligou e eu disse: “Te daria um abraço agora” Soou uma risada… e eu continuei falando e ninguém respondia… “Alo?… Alô? Caiu a linha???” … “Não bobinho, eu estava abraçando o celular”… Owwn Que fofo!! Foi fofíssimo!

PESSOAL. FELIZ NATAL.  Em especial pra Graça, que sempre me deixa morto de saudades!

Agora vou indo nessa. Hora de abrir o Uísque!

Ósculos e amplexos natalinos!

Cansei.

Tem uma saudade vazando de mim.
 Nada de mais. Eu não me importo. Mas ela vem com o suor de minhas mãos que uma vez me disseram ser nojentas. Eu me lembro. Quem apanha não esquece. Lembro de sua recusa ao me dar a mão… “Que nojento, sua mão está suada.”. E eu sei que é. Fazer o quê? Ela sua… Problemas biológicos.

Tem suor que escorre pelos meus dedos das mãos. De vez em quando até pinga dependendo do nervosismo. Até mesmo quando estou em paz vaza litros de saudades de minhas mãos.

Tem raiva vazando por aqui.

Meus pés também suam! Escorre alimentando a frieira e a pele ressequida numa noite qualquer. Mas a raiva a gente tampa com uma meia. Tá bom assim!

Uma noite por chorar.

Todos só ficam quando a gente sorri. Quando fala besteiras…

Hoje estou cansado. É só por hoje. Exausto. Amanhã levanto de cabeça erguida com minha podridão; minha solidão…  E eu te juro. Não foi por mal que te fiz sofrer, mas foi por sofrer que te fiz tão mal… Não há vantagem. Chega de jogo idiota. Chega.

Tudo isso é só sexo, entenda. Só sexo e eu não vou te ligar no dia seguinte.

Aí estou só. O cansaço até que é bom. As pernas tremem. O joelho dói, mas sinceramente, não tenho nada mais pra te dizer.

Apodreçam-se os dentes.

Chame-me de irmão.

Tatue meu nome no corpo.

Não importa.

No fim das contas. Pensando aqui sozinho e embriagado… Até que uma corda me cai muito bem.

Sem ósculos.

Sem Amplexos.

A gente vai acabar se vendo em fogo.

É a forma mais carinhosa de mandar-lhe pro inferno!

Tem raiva vazando de mim.

Seu lixo.