O Velório.


Pegue aqueles traços delicados que sente ao roçar sua pele; o busto de cerâmica em que outrora pareciam tão macios.

 Veja! Não seria este o velório de sua vida ao imaginar que o cheiro sem perfume algum da pele que ardia, hoje, já é tão mais agradável do que o odor vulgar que invade o recinto? Este não seria o abandono da fortuna que antigamente as notas eram tão mais novas, verdes e sinceras?
Não, meu amigo. Ninguém esteve vivo para morrer; ninguém ficou rico para empobrecer.
O que passa é que teu úmido vazio se deixou estraçalhar pelo tempo que vazou pela torneira durante todas as manhãs em que você acordava e lavava teu rosto ao mesmo tempo em que pensava: “O que foi que aconteceu?”.
A ilusão te custou a sorte que antes era abundante; da qual, agora, nada mais resta.
Anda pelas noites escuras entre ratos embriagados tentando descobrir o que faz falta.

Mas nada parece fazer falta. Nada parece sem respostas.

Você sabe a resposta!

Pegue aqueles traços delicados e o busto de cerâmica…

Diga-lhes que estava enganado.

Anúncios

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s