Se nada der certo, passa pro pós!


– Você não se enjoa desse trabalho? – perguntou o ser com o capuz negro escondendo o rosto – Todos os dias a mesma coisa e é sempre a mesma porcaria de trabalho! Sempre tendo que vir aqui e pegar esses fodidos pra levar pra descansar.

O outro rapaz, do outro lado da maca onde havia um homem cadavérico, apenas respirou fundo, mexeu em seus cabelos longos e brancos feito neve pura e, depois, coçou a longa barba.

– Todos os dias eu estou cansado, e entendo o quão você também está cansado, mas alguém precisa fazer isso.

Ambos olharam para o homem deitado. Ficaram em silêncio até que o aparelho que vigiava a vida do moribundo apitou um som contínuo. O coração havia parado.

– Vou levá-lo – disse o ser de capuz preto se levantando da cadeira enquanto o homem que estava na maca começou a se levantar como quem está perdido.

– Leve-o – disse o anjo coçando agora a asa esquerda – Dá um alívio pra ele. Ninguém merece morrer de câncer.

– Não mesmo – respondeu a morte olhando para o humano perdido sentado na maca observando o próprio corpo ainda deitado e pálido.

O anjo se levantou e bateu as asas, depois coçou a virilha, o que fez a morte se incomodar.

– Porque se coça tanto?

– Pulgas, acho.

–  Pulgas são terríveis mesmo – disse a morte rindo fazendo seus dentes baterem.

–  Pois bem – disse o anjo – Quarto seis finalizado!

– Seis? – Questionou a morte com incerteza – Achava que era o nove.

– Aqui nos prontuários. Quarto seis. Câncer.

A morte revirou seus papeis.

– Quarto nove; câcer.

O anjo coçou as costas, depois a nuca e depois a barba. Olhou para a alma do morimbundo e perguntou:

– Qual era sua chaga?

– Gripe forte -respondeu o homem.

A morte riu com o barulho seco de dentes se batendo. O anjo coçou sua asa direita e depois coçou os lábios.

– Que a gente faz agora, morte?

– Deixa o cara do câncer viver e levamos o gripado, paciência! Qualquer coisa se perguntarem, diga-lhes que fomos proativos. E toda pró-atividade leva à um erro às vezes. Paciência.

O anjo pensou, pensou e pensou.

– Ótimo! Levamos então o gripado e deixamos o cara do câncer! Você que é do operacional que se resolva depois.

O anjo carimbou a autorização da morte e entregou os papéis. A morte olhou para o formulário e depois para o anjo.

– Vocês só me fodem…

A morte então levou o rapaz. Disse que foi um erro tê-lo levado por uma gripe. Foi apenas um erro do setor comercial, mas que os benefícios de estar morto eram muitos.

Ao chegarem no inferno, o rapaz questionou sobre a péssima qualidade de vida.

– Não foi o que eu esperava – disse o homem.

– Você não gostou?

– Não.

A morte então olhou para os lados e apontou um homem com um bigode curto e roupa de militar.

– Vê aquele moço uniformizado, com aquela tira vermelha na manga?

– Sim.

– Ele faz o pós atendimento. Infelizmente eu sou do operacional. Resolva agora suas dúvidas com ele. Até mais ver!

Anúncios

1 Comentário

  1. ai ai…. não me canso dessas palavras… vc sempre me faz viajar…


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s