Impossível.


Ele poderia passar horas a fio vendo os cabelos dela se moverem ao som da música enquanto ficava sentado.

Ele ficava lá, observando, paralelo à desgraça. Imóvel, inerte. Inerente a ela.

Ela dançava ao som da vida enquanto que, ele, observava a situação com olhos clínicos de quem sabia como tudo terminaria. Sua ternura já não era necessária. Na verdade, nunca foi. Ele sabia que devia parar de observar a música, que deveria ir para a pista dançar. Mas não. Ele estava levemente embriagado e com os olhos paralisados.

Quando ela o viu lá, feito estátua, resolveu parar um pouco.

Ele deu um gole de vinho e ela o beijou.

Parecia ser o suficiente até ela voltar a dançar.

E ele lá, sentado. Sem arriscar. Vilipendiado pelo afeto. Rejeitado pelas opções.

Mas ele assistia a tudo com olhos clínicos. Quem dança, tem muito mais riscos de se machucar. Mas ele estaria lá para impedir sua queda! Ele derrotaria a inércia por ela. Empurraria as pessoas, derrubaria sua garrafa… Atirar-se-ia ao chão para evitar que ela se ferisse. Ele rasgaria seus cotovelos para aparar a queda daquela moça.

No fim. Ela agradeceria, daria meia volta e tornaria a dançar.

Lentamente ele retornaria para sua cadeira.

Ele sabia que ia ser assim. Mas era impossível parar de observá-la dançar a música da vida.

Anúncios

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s