Impossível.


Ele poderia passar horas a fio vendo os cabelos dela se moverem ao som da música enquanto ficava sentado.

Ele ficava lá, observando, paralelo à desgraça. Imóvel, inerte. Inerente a ela.

Ela dançava ao som da vida enquanto que, ele, observava a situação com olhos clínicos de quem sabia como tudo terminaria. Sua ternura já não era necessária. Na verdade, nunca foi. Ele sabia que devia parar de observar a música, que deveria ir para a pista dançar. Mas não. Ele estava levemente embriagado e com os olhos paralisados.

Quando ela o viu lá, feito estátua, resolveu parar um pouco.

Ele deu um gole de vinho e ela o beijou.

Parecia ser o suficiente até ela voltar a dançar.

E ele lá, sentado. Sem arriscar. Vilipendiado pelo afeto. Rejeitado pelas opções.

Mas ele assistia a tudo com olhos clínicos. Quem dança, tem muito mais riscos de se machucar. Mas ele estaria lá para impedir sua queda! Ele derrotaria a inércia por ela. Empurraria as pessoas, derrubaria sua garrafa… Atirar-se-ia ao chão para evitar que ela se ferisse. Ele rasgaria seus cotovelos para aparar a queda daquela moça.

No fim. Ela agradeceria, daria meia volta e tornaria a dançar.

Lentamente ele retornaria para sua cadeira.

Ele sabia que ia ser assim. Mas era impossível parar de observá-la dançar a música da vida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s