E quando ela continua me encantando.


Ela me julga e me joga pra quina da sala de estar!
Eu pareço estar feliz, mas anseio pelo próximo passo! Mas ela me julga e recua; diz que não se vê comigo… Tanto faz!
Eu penso em desistir, mas eu ainda a quero!
Flores? Chocolate? Um jantar num restaurante bacana?

Não sei!

Ela me julga!
Poderia amassar as flores! Jogar os chocolates pela janela do apartamento e depois cuspir no prato de macarrão daquele restaurante legal no centro da cidade!

É… Só que ela me julga!

Afasta-me e me faz ficar perto! Quanto mais diz que não quer, mais eu quero. Mais eu escrevo sobre ela e mais penso e penso.

Ela me julga demasiadamente!

Ela não crê no meu bem querer!

Ela me estraçalha e me faz rastejar pela tapeçaria de minha casa!

Eu a sinto!
Ela não me sente.
Eu a quero!
Ela não me quer.
Eu tenho certeza!
Ela diz que não.

Eu digo que seria perfeito!
E ela, ainda que não tenha provado dos lábios meus, sabe que seria perfeito assim como eu.

Anúncios

2 Comentários

  1. “Essa coisa chamada vida onde estamos enterrados até o pescoço…”

  2. Que perseguição!


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s