Isso me irrita!


Ir a bancos é sempre cansativo; sempre uma nova aventura!

Hoje tive que ir até o banco para realizar algumas transações (sou muito chique) e, com alegria, peguei a minha senha e me coloquei a sentar num dos bancos. Abri o livro “Jogos Vorazes” e continuei lendo da onde tinha parado no dia anterior. Até aí, tudo bem. Realmente o atendimento em bancos demora mesmo! Estava com minha senha e meu livro, logo, não ia me importar se fosse ficar lá sentado até oito horas da noite… Enquanto houvesse páginas para ler, eu estaria em paz.

Mas acontece que na fileira de bancos à minha frente, havia uma mãe e seu filho. Um gordinho de mais ou menos doze anos. Aquela fase insuportável em que os meninos começam a dividir brincadeiras e meninas e não sabem escolher o que querem; além de se acharem os donos do mundo. Mas aquele gordinho não. Parecia que ele só era dividido entre seus brinquedos, desenhos e gostosuras.

– Mãe, que horas são? – disse ele para a senhora ao lado dele.
– Duas e meia, filho.
– Mãe, vai começar o desenho. Quero ir ver a Discovery Kids (O “Kids” fez o menino soltar perdigotos, Kidssssss pruuufff… Baba pra tudo que era lado).
– Calma, filho.

Ele então pegou o papel da senha da mão da mãe para ver o numero e olhou para o painel… A esta altura eu já estava desconcentrado do livro.

– Mãe, quero ir embora AGORA! – Bradou o gordinho de forma imperativa.
– Calma, filho.
– Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora…

Aquilo me fez subir o sangue… E não só o meu, tenho certeza.

– Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora…

Como se não bastasse, a mãe simplesmente parou de responder o menino… Passou quinze minutos de “Mãe, quero ir embora” e daí ele começou a chorar repetindo a mesma sentença.

Eu ri… Tive que voltar umas três vezes a mesma página do livro simplesmente porque não conseguia mais prestar atenção.

– Mãe, sua senha é a 76 ainda… Quero ir pra casa.
– Para de dar show, filho… Tá todo mundo olhando.

Nessa hora pensei:  “ah, velha. Vai tomar no seu cu. Enfia a porrada nesse moleque e dá motivo pra ele chorar!”.

– Eu não ligo para ninguém – disse ele aos berros e babando enquanto chorava, naquela mistura de ranho com saliva, sabe? – Ninguém aqui paga minha conta!- gritava ele.

A minha senha era a 70; a deles, 76… Realmente ia demorar um bocado, apesar de, a esta altura, eu ser o próximo no atendimento.

Eu ri mais uma vez, fechei o livro e pensei numa solução para este caso.

SOLUÇÕES DO CHARRO PARA TAL SITUAÇÃO:

Solução numero 1:
Inclinei meu corpo um pouco a frente e disse para a mãe:
– Hei, velha! Leva esse moleque embora, porque se você não levar, levo eu!

Solução numero 2:
– Toma, pega minha senha e me dá a sua. Vai em meu lugar, mas pelo amor de Deus, faz esse moleque parar de chorar e cuspir pra todo lado. To ficando com náuseas.

Solução numero 3:
Peguei umas bolas de plástico e fiz algumas ligações. Comecei a fazer malabarismo no banco para distrair o gordinho, logo meus amigos chegaram e entraram no banco cuspindo fogo para cima, andando em monociclos! Até o Patati e Patatá estavam lá. Cena de circo mesmo! O menino sorriu e parou de babar.

Solução numero 4 (minha preferida):
Respirei fundo e fechei o livro. Com a lombada do mesmo, dei uma cacetada na cabeça do infeliz e disse bem baixo no ouvido dele com os dentes serrados:
– Seu gordo filho duma puta, você para de cuspir em mim e para de chorar antes que eu te de uma surra de livro que você vai suar tanto que vai perder uns quinze quilos em cinco minutos; só que não vai parar por aí. Quando eu terminar, vou enrolar esse livro e vou enfiar no seu cu! Você tem noção do que é receber 397 páginas no seu rabo? Eu também não, mas vou saber ao ver sua reação. Você vai ficar tão escoriado que vão pensar que você foi com a camisa do palmeiras lá no meio da torcida do Corinthians, seu retrato falado de mamute. Espera a porra dessa senha calado, se não, meu chapa, vai demorar mais ainda pra tu chegar em casa, porque antes disso, vai ter que dar uma passada no hospital, ta me entendendo? (plaft. Outra batida com a lombada do livro na nuca do gordo.

A mãe dele me sorriu graciosamente agradecendo minha atitude. Todos no banco aplaudiram, foi uma festa. O gerente pulava e dava socos no ar. Os caixas gritavam o meu nome e chamaram minha senha. Eu andei imponente até o caixa. A multidão no banco abria caminho para mim e me aplaudia fervorosamente.

 

Bom… Mas não fiz nada disso.
Limpei os perdigotos na minha mochila e fui ao caixa quando fui chamado.

Ao sair do banco, ainda era possível ouvir:

– Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora. Mãe, quero ir embora…

2 comentários em “Isso me irrita!

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk realmente eu sou muito ingênua de imaginar que alguém poderia dar a solução nº 2. Eu provavelmente teria dado a minha senha sem esperar nada em troca pois não teria a minima paciência pra aguentar isso… ou saíria pra dar uma volta… ou ainda cutucaria o gordinho e mandaria meu recado: cala essa boca e fica quietinho que vc não está na sua casa! ¬¬

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s